31.8.02

Singeleza (quase esqueci :)
No meio da peça, Leon Góes pediu para uma espectadora levantar e ler um poema, perguntando-lhe antes qual era seu nome. A resposta:
- Meu nome é Maria do Carmo, mas meu apelido é Du.
Atenção para o que disse Nelson Hoineff. Os grifos são meus:

"Quando Cidade de Deus foi escrito, o Rio já era uma cidade perigosa. Comparado a hoje, no entanto, era um Shangri-La. Neste curto espaço de tempo, a cidade foi parcialmente arrasada por uma guerra civil. O crime organizado tomou o poder e desmoralizou as instituições. O criminoso de hoje não tem nada a ver com o discreto charme da delinqüência na época áurea do jogo do bicho. Na era do tráfico, o crime mata com requintes de crueldade, intimida as populações, fecha as escolas. Não há beleza nisso. (...) Para a sociedade, isso é motivo de apreensão. Para o artista, motivo de redobrado cuidado. É por isso que muito do que há de bom em Cidade de Deus pode agir contra o compromisso ético do filme, ainda que isso possa passar despercebido até aos próprios autores. (...) a leveza com que se humaniza o bandido corre na fronteira de transformá-lo em herói, ainda que o texto esteja dizendo o contrário. (...)"
A Editora Fissus lançou logo cinco livros com ensaios, palestras e seminários de Alan Watts: A Cultura da Contra Cultura, Filosofias da Ásia, Mito e Religião, O Tao da Fiolosofia e Além do Taoísmo: muito além da busca.
Já que o Barreiro sumiu, fui ver assim mesmo Chico Doido de Caicó ontem, antes que saísse de cartaz. Conheci os poemas do Chico Doido através do Balaio Porreta, panfleto semanal xerocado em uma página e distribuído desde 1986 pelo professor Moacy Cirne, primeiro para divulgar notícias administrativas e depois evoluindo para um quase-fanzine, com críticas políticas, comentários sobre discos de jazz e chorinho, indicações de leituras em quadrinhos, e mais uma infinidade de coisitas que coubessem no ofício daquele papel, entre as quais os escritos fesceninos do poeta potiguar, ex-membro da marinha mercante, descoberto num bar da Cinelândia por Nei Leandro de Castro pouco antes de morrer, em Duque de Caxias, no estado do Rio de Janeiro. Chico Doido é um desbocado, a graça de suas poesias está no despudor com que usa a língua, vão amostras:

Dona Chica de Igapó:
Venho, por meio destes maltraçados versos,
Solicitar, mui respeitosamente,
O teu glorioso xibiu
Para a particular glória do meu fodecu.
Prometo que a tua chiquinha
Será tratada com muito carinho e respeito.
Se a perseguida é, perseguida continuará,
Assim no inferno como no céu, amém.

Uma vez eu fiquei na proa do navio
E a lua cheia era tão bonita
Qu eu endureci o pau e esporrei na cara dela


Quem ia gostar disso é o Sérgio Catarro...

30.8.02

Duas frases: "Só a total falta de noção de tempo, espaço e ocasião levariam alguém a descobrir o Brasil." (Ivan Lessa, no Jotabê, há uma semana) e "Triste é a aranha, que já nasceu webdesigner" (Elesbão e Haroldinho, no DDB # 5)
Se alguém quer matar-me de alegria, que me mate n'Andaluzia...
Jabá
Qualquer fã mais atento do Spirit já notou que uma musiquinha aparece repetidamente na história, seja tocada por uma banda de swing, seja assoviada por um mendigo, seja dedilhada num piano de cabaré:
evvy li'l bug
got a baby to hug
but me...

A impressão é que todos os personagens só conhecem esta música. E não é que ela existe mesmo, não era apenas uma private joke visual? Bill Harr conheceu rapidamente Will Eisner durante a II Guerra, compôs a música, e juntos, registraram-na. Em 27 de abril de 1947 deu-se a primeira aparição nos quadrinhos, apenas onde a música ficou conhecida... até uma gravação, 40 anos depois. Soube dessa história toda aqui.
"(...) só tem hippie neste país (...). É isso mesmo: hippie. Bicho-grilo. Cabeça. Maluco beleza. Ou pelo menos é essa minha nítida impressão. Do presidente da República recebendo "tropicalistas" no Planalto às donas-de-casa "prafrentex" fazendo passeatas pela liberação da maconha aos cinqüenta anos de idade, todo mundo é bicho-grilo no Brasil. (...)"
O resto desse memorável artigo? Taqui, ó.

29.8.02

Entrou no ar hoje Porta Curtas, o portal de curtas-metragens (que um amigo meu chama de curta-picaretagens) da Petrobras, onde é possível assistir filmes, via internet, embora ainda não o seja copiar os arquivos digitais. Para colocar a bola em jogo, armaram o time dos 10 melhores curtas nacionais, selecionados por "uma comissão de especialistas". Espero que disponibilizem logo as animações Novela e Treiler (A Última Tentativa), de Otto Guerra, Meow e Animando, de Marco Magalhães, além de Geraldo Voador, a adaptação de Bruno Vianna para A História de Gherard Shnobble, possivelmente a melhor história do Spirit.
Negócio seguinte: Luiz Sergio Coelho de Sampaio é o pensador brasileiro, se minhas fontes estão corretas, mais original e com idéias mais poderosas em atividade hoje. Entre ensaios e livros, Sampaio é autor de títulos como Octeto dos Entes Físicos, A matematicidade da matemática, e A lógica da diferença; a maior parte deles pode ser copiada da Editora Eletrônica. Entre outras coisas, Sampaio vem para divulgar uma Grande Lógica, desenvolvida por ele, chamada lógica hiperdialética qüinqüitária, mencionada, por exemplo, em seu discurso quando da instalação do Laboratório de Estudos Futuros da Universidade de Brasília.
A Dominique gostou desse blog ter nascido no dia 17. Dentro da minha mitologia familiar, preto 17 sempre foi um número de sorte na roleta. Ainda no terreno das coincidências, tem um tango do David Nasser, Vermelho 27, sobre um ex-jogador ("jogo no pano... jogo feito!") que perde tudo quando a bolinha pára no preto 17. A versão do Nélson Gonçalves cantando é definitiva, "nem um cão entre os amigos encontrou"...
Se alguém quer matar-me de enjôo, que me mate em Moscou...
Sabe aquelas revistas Spektro que eu arrumei? Outro dia peguei meu irmão lendo e rolando de rir: o personagem principal de uma história era irmão gêmeo-siamês de um lobisomem! E olha que essa veio, traduzida, da Charlton Comics; não era uma das doidíssimas criações nacionais que, com o tempo, tomaram conta do miolo, especialmente na revista-irmã Pesadelo, como as do César Lobo, que fazia lindas capas em aerógrafo.
Um belo dia, na faculdade, vi um cara aparecer com uma ilustração dele na camisa, e fiz um elogio qualquer. A resposta: "Pô, César Lobo é meu tio!"

28.8.02

Para quem veio a esse mundo de férias
Fiquei surpreso ao descobrir que, das 20 melhores festas do mundo, segundo a reportagem duma revista que li em pé na livraria há alguns anos, estive em duas: o Carnaval e o Burning Man. Não lembro qual era a revista estrangeira, e também não consegui localizar a reportagem na internet, mas achei algumas listas. Entre paradas, festivais e eventos em todo o mundo, fica difícil chegar num consenso -- a tal reportagem, por exemplo, juntava no mesmo balaio o Mardi Gras de New Orleans, a Oktoberfest de Munich, o Carnaval do Rio de Janeiro e a Love Parade de Berlim. O World-Party.com abriu uma votação dos 40 melhores eventos do mundo, cujo resultado pode-se comparar com a reportagem de Harry Marks, em duas partes, para o AskMen.com.
Bobby Fischer, de quem falei lá embaixo: único campeão de xadrez do século XX nascido nos EUA, paranóico, excêntrico, tido como gênio, atraiu tanta atenção para esse jogo na década de 70 quanto Muhammad Ali, para o boxe, -- com duas diferenças: sem um Don King a empresariá-lo, e praticando um esporte(?) bem menos empolgante para a platéia. Scott McCloud provavelmente começou a jogar xadrez nesse embalo, e conta sua experiência em My Obsession with Chess, ótimo exemplo de história em quadrinhos adaptada para a tela.
Se alguém quer matar-me de bobeira, que me mate em Madureira...
Hiro, minhas impressões, depois da leitura dos 3 números de Dark Knight Strikes Again:
Frank Miller frustrou expectativas, nem de longe repetindo o terremoto de DK Returns, ponto. A narrativa é menos densa, a arte está nas coxas, assim como a colorização, que cometeu até aquele erro básico de pintar uma parte do corpo do personagem na mesma cor que o fundo... Mas!, é Frank Miller. E Frank Miller nunca é uma decepção. Por exemplo, ao invés das quatro edições originais, agora, já no fim do primeiro capítulo, a gente é presentado com o Batman descendo a mão no Super-Homem...
Dentro das limitações intrínsecas à dificuldade em se refazer uma obra-prima, o que fica? A diagramação, ainda dando aula, particularmente nas cenas de ação; o texto, no melhor estilo curto e grosso (hard boiled); e sobretudo, a profunda compreensão de como se resgata, revitaliza e caracteriza um super-herói clássico da DC Comics ("Kids, these days, just can't tell the difference between plain old and classic"). Encontrar Ajax, o marciano, maltrapilho, bêbado e em frangalhos; o Flash condenado a correr dentro de uma roda de hamster para gerar toda a energia da costa oeste norte-americana; o Átomo, surfando numa linha telefônica, e, especialmente, ver todo o potencial polimórfico do Homem de Borracha explorado numa mesma história é tão inusitado quanto apropriado. Depois de fazer os super-heróis mais realistas há 15 anos, agora Frank Miller quer injetar neles de volta a fantasia.

27.8.02

Essa mesma historinha medieval que o Nando narra, serviu de base para um conto de Will Eisner em Minor Miracles, passado no Brooklin da depressão, com a condenação à forca pelo juiz comprado substituída pela ameaça de apanhar dos moleques da vizinhança. Na introdução do álbum, Eisner lembra que a origem de muita coisa ali se perdeu no tempo e no espaço, ultrapassando a mera condição de lenda urbana, e desaguando na infância dele como tradição oral, mito, que serviu de inspiração para as histórias em quadrinhos que ele fez -- 70 anos depois!.
Luiz Sergio Coelho de Sampaio, guardem esse nome. Como se dizia nos tempos de Dom João Charuto, é do balacobaco.
A origem da letra de Come Together, que o Jean colocou no ar recentemente, é uma das histórias mais curiosas da biografia do Timothy Leary.
Em 1969, logo após a decisão da Suprema Corte que o livrou da prisão por porte de drogas, Leary decidiu se candidatar ao cargo público de governador da Califórnia, e viajou para NY à procura de artistas amigos que fizessem as vezes de cabos eleitorais, contribuindo com jingles ou depoimentos. John Lennon topou, e Leary viajou para o Canadá, pois o beatle ainda estava impedido de entrar nos EUA. Lennon gostou do slogan -- Come together, join the party (um trocadilho de "juntar-se ao partido" e "entrar na festa") -- e improvisou, numa fita, assim:
Come together, right now
Don't come tomorrow, don't come alone
Come together, right now, over me
All I can tell is that you got to be free

Seis meses depois, já em cana, Timothy veio a ouvir o disco com a composição definitiva, com uma letra ligeiramente alterada que parecia descrevê-lo:
Here come old flat top (...)
Hair down to his knee
Got to be a jocker he just
Do what he please
He wear no shoeshine he got
Toe jam football, he's got
Funny finger he shoot, coca-cola he says
I know you know me
One thing I can tell you is you got to be free
Come together, right now, over me

Ou seja, tudo começara com uma música de campanha. A campanha de Leary acabou sendo abortada antes das eleições pela reabertura de um processo, e o eleito foi um ex-ator de faroestes que seria presidente por dois mandatos: Ronald Reagan.
Já estava mais do que na hora de alguém baixar a bola de Santa Teresa, bairro carioca "no qual todos acham que são artistas".
Se alguém quer matar-me de amor, que me mate no Estácio...

26.8.02

Ok, vamos nós: This is my blogchalk:
Brazil, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Copacabana, Portuguese, English, Rafael, Male, 26-30. :)
Aproveitando a deixa
Depois de comentar em tempo real a Copa, o povo do Cocadaboa agora está acompanhando as eleições de lupa: o humor é gratuito, mas quem paga o pato é você. Outro lugar bom para saber o que está rolando nas campanhas é aqui.
Momento Buxada
O blog Página 18 foi criada em cima da fama que Lula tem de nunca passar da décima sétima página de nenhum livro. Rico é o folclore sobre as besteiras que ele disse durante sua vida pública, mas em época de campanha, raro é o candidato que não fale ou faça das suas. O momento buxada de bode de José Serra até agora aconteceu em visita à Vila Olímpica da Mangueira, quando desembestou a sambar ao som da bateria da escola de samba. Ao seu lado, Sérgio Cabral Filho, candidato do Rio ao senado pela coligação de Serra, dava força batendo palmas e sorrindo, "vai candidato!", e Serra mostrava mais animação, agitando os braços freneticamente. Espera-se que não abandone a campanha antes de seu momento montado num jegue, usando chapéu de couro.
Cláudio Julio Tognolli, um dos melhores jornalistas investigativos do país, também já tem sua página pessoal.

25.8.02

Por essas e por outras é que Fernando Sabino, assim como Joel Silveira, sabe muito bem o que é um carioca.
Na coletânea de perfis Gente, Fernando Sabino conta que o poeta Augusto Frederico Schmidt costumava rebocar a roda de escritores que se reunía nas noites do Alcazar, restaurante que existe até hoje na Av. Atlântica, para ler poesias em seu apartamento, alguns andares acima. Certa feita, Sabino organizou uma pelada na praia entre os times de escritores de Ipanema e os de Copacabana. Rubem Braga, apropriadamente, jogou na zaga, e Di Cavalcanti, que além de pintor tinha enorme cultura literária francesa, ficou no gol. O poeta teve que ser buscado em casa e levado pela mão pelo cronista, que tomou um susto quando encontrou-o, à sua espera, com o uniforme oficial do Botafogo. Iniciado o jogo, Agusto levou um drible de Aníbal Machado, daqueles de entortar o cidadão e deixar na grama procurando a bola até agora.
Ah comer purê-ê
Ah comer purê-ê
Ah comer purê-ê
Eu vou comer pu-rê

(Só para quem ficou até o final)
Churrasco de dez anos de formatura da turma do colégio. Circunstâncias variadas me afastaram tremendamente, há uns 7 ou 8 anos, daquele meio -- o que me faz valorizar sobremaneira tal evento. Duas impressões muito fortes ficaram da década de intervalo; primeira: ocorreu uma progressão cronológica linear para a imensa maioria ali, apenas isso -- mas para que mudar, quando se nasce e cresce entre o eixo Ipanema-Leblon-Gávea?; segunda: a maioria das garotas embagulhou (ainda que tenha havido melhoras pontuais). Três heroínas apareceram com filhos pequenos. Talvez surpreendentemente, ninguém foi jogado de roupa na piscina, ninguém ficou bêbado e resolveu tirar a roupa, ou foi pego dormindo debaixo de uma árvore depois de vomitar num canto: maturidade? O que ficou foi um sincero clima de descontração, relaxamento, integração e felicidade. E a promessa de campanha de tornar o evento anual. Tamos aí.

23.8.02

Fim de semana passado encontrei num sebo raros exemplares da melhor fase da Spektro, um dos melhores gibis de terror nacionais, e onde se deu o desabrochar do talento editorial de Otacílio D'Assunção Bastos, ou melhor, Ota. Foi um dos momentos mais produtivos para quadrinho nacional, Otacílio conta que chegou a comprar mais de 200 páginas por mês. Aqui tem a coleção das belíssimas capas, especialmente as desenhadas por Shimamoto e Ofeliano.
Em papo esses dias, soube que descartaram completamente o depoimento de Joel Silveira para um documentário sobre Sergipe. Apesar de natural, Joel desancava de tal sorte o estado, que os produtores se avexaram em colocá-lo no ar. Pode ser que de Sergipe ele não goste. Mas gosta - e entende - muito do Rio de Janeiro.
Sempre defendi que esse aqui é o melhor FAQ que já li em toda a internet. Mas não é só o Nemo Nox, o Neil Gaiman também gosta de fazer gracinhas em FAQ:

Do you post at really strange hours?
Yup, the time on the blogger is always in Pacific Time, wherever I am. So if it says I'm posting at 1.07am, I probably posted it at 3.07am...

22.8.02

Segundo essa reportagem da BBC, o xadrez pode ter chegado na Europa antes do que se imaginava. É o jogo mais fascinante do mundo, entre outras coisas porque, como li em algum lugar, "é o único que ainda não se sabe jogar mesmo depois de ter aprendido as regras". Ainda que comumente rotulado como jogo intelectual, durante um curto período foi capaz de arrastar multidões, na disputa entre Bobby Fischer e Boris Spassky em 1972. Aqui tem um resumo extenso, em duas partes, sobre os ocorridos no campeonato de 1972.

17.8.02

Está valendooooooo...
Priiiiii!